SEJA UM SEQUIDOR DO BLOG DO ACS ROBERTO

..

..

Pesquise materias neste blog do acs Roberto

Carregando...
Na luta pelos ACS/ACE do Brasil Faça sua doação online para o blog acs Roberto agora e seja nosso parceiro do Blog que há 6 anos luta em prol da nossa categoria. Contamos com você para continuarmos vitoriosos nessa batalha! Faça sua doação no valor que você escolher
Aproveite as facilidades de comprar em meu Espaço NATURA é ganhe ótimos descontos ! Se precisar de ajuda, entre em contato comigo. Entregas restritas ao Estado de São Paulo, em breve disponível para todo o Brasil. http://rede.natura.net/espaco/roberto

terça-feira, 6 de outubro de 2009

OS AGENTES COMUNITARIO DE SAÚDE DIVULGAR A IMPORTANCIA DA DOAÇÃO DO LEITE MATERNO NA SUA COMUNIDADE!


Número de mães doadoras de leite sobe 83%


Quantidade de mulheres doadoras passou de 60.441, em 2004, para 110.648, em 2008. Ministério da Saúde repassou R$ 1 milhão para ampliar rede de bancos de leite

Imagem: DivulgaçãoAs mães brasileiras colaboram cada vez mais com os bancos de leite do país. O número de doadoras aumentou 83% em cinco anos. Em 2008, 110.648 mulheres foram aos postos de coleta contra 60.441, em 2003. Os dados são do Ministério da Saúde, que lançou nesta quinta-feira, 1º de outubro, a Campanha Nacional de Doação de Leite Humano. O objetivo é incentivar as mães a doarem leite e sensibilizar a população sobre a importância do alimento para as crianças.

O volume de leite coletado subiu 49,5% em cinco anos, passou de 99.000 litros em 2003 para 148.052 litros, em 2008. No mesmo período, a quantidade de recém-nascidos que receberam o alimento materno aumentou 47%. Em 2008, foram 157.282 crianças beneficiadas contra 107.000, em 2003.

A expectativa para 2009 é aumentar em 10% o volume de leite materno coletado nos postos distribuídos no país e a quantidade de crianças atendidas pelos bancos de leite nacionais. Até junho deste ano, 48.444 mulheres fizeram a doação. Esse número deverá mais que dobrar até dezembro. “A cada ano, registramos um aumento no número de doadoras e na quantidade de crianças beneficiadas. A campanha gera mobilização social em torno do tema, orientando a população”, avalia o coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, João Aprígio Almeida.

“No dia de hoje (quinta-feira) não se comemora apenas a doação do leite, mas a possibilidade de vida de muitas crianças com o leite humano seja pela doação ou pela amamentação”, afirmou Cleusa Bernardo, secretária de Atenção à Saúde substituta, durante o lançamento da campanha em Brasília.

CAMPANHA - A escolhida para ser a madrinha da campanha nacional de doação de leite materno este ano foi a atriz Samara Felippo. Ela e a sua filha Alícia, hoje com três meses, ilustram os 40.154 cartazes e um milhão de folderes que trazem o slogan “Para você é leite, para a criança é vida. Doe leite, a vida agradece”. O material será distribuído a todos os bancos de leite do país, postos de coleta, Hospitais Amigos da Criança e secretarias estaduais de saúde.

“Espero ajudar a sensibilizar as mães doadoras e incentivá-las a doar cada vez mais seu leite”, disse Samara, ao afirmar ter doado leite quando sua filha era mais nova. Atualmente, a bebê mama tudo o que ela produz. As duas participaram do lançamento da campanha em Brasília na tarde de quinta-feira.

Nos estados e no Distrito Federal, o Dia Nacional de Doação de Leite (1º de outubro) foi marcado por atividades de incentivo à participação de mães no projeto. Na cidade do Rio de Janeiro, a Câmara Municipal de Niterói entregará, no dia 2 de outubro, 300 moções aos profissionais dos bancos de leite e às mães que já doaram o alimento, por exemplo. Em Brasília, o banco de leite do Hospital Regional da Asa Sul foi reinaugurado na manhã de quinta-feira, depois de passar por reforma nos últimos seis meses.

RECURSOS - A rede nacional conta hoje com 196 bancos de leite materno e 73 postos de coleta em funcionamento. O Ministério da Saúde repassou este ano R$ 1,15 milhão para a implantação de mais 16 bancos de leite humano e 11 postos de coleta. O recurso será destinado à compra de equipamentos e à capacitação de pessoal.

As novas unidades funcionarão nos 17 estados do Nordeste e da Amazônia Legal, regiões priorizadas no Pacto pela Redução da Mortalidade Infantil por apresentarem altos índices de óbitos em menores de um ano. Além disso, a partir de outubro, o governo federal iniciará a implantação de um sistema de registro mais eficiente, em que as notificações serão feitas em tempo real.

REFERÊNCIA MUNDIAL - A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a maior e com tecnologia mais complexa do mundo. O Brasil coordena a Rede Íbero-americana de Bancos de Leite Humano e repassa conhecimento sobre controle de qualidade e processamento de leite materno para 22 países da América Latina, Caribe, África e para Portugal e Espanha, na Europa. O banco de leite implantado em Madrid, por exemplo, foi desenvolvimento totalmente com ferramentas brasileiras.

Desde que o país passou a liderar a Rede Ibero-americana de Bancos de Leite Humano, foram coletados, fora do território brasileiro, 82.048 litros de leite materno, beneficiando 85.961 crianças. “O modelo brasileiro de banco de leite não armazena apenas o alimento. Além de coletar e distribuir, as unidades nacionais compõem uma rede de apoio ao aleitamento materno, que orienta as mães com dificuldade ou qualquer problema que impeça a amamentação”, destaca o coordenador da rede, João Aprígio Almeida.

ALIMENTO FUNDAMENTAL - Os bancos de leite têm como missão incentivar, proteger e promover o aleitamento materno para diminuir os índices de mortalidade infantil e melhorar a qualidade de vida dos bebês, nos casos em que a própria mãe não pode amamentá-los. Em todo o mundo, o leite materno pode reduzir em 13% as mortes de crianças menores de cinco anos. No Brasil, um estudo feito em 14 municípios da Grande São Paulo, em 2003, apontou que a estimativa média de impacto da amamentação sobre o Coeficiente de Mortalidade Infantil foi de 9,3%.

Levantamento do Ministério da Saúde divulgado em agosto deste ano mostrou aumento de um mês e meio no tempo médio de aleitamento materno no país: passou de 296 dias, em 1999, para 342 dias, em 2008. A II Pesquisa de Prevalência do Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e DF (PPAM), feita nas capitais, Distrito Federal e em outros 239 municípios, reuniu informações de 118 mil crianças, aproximadamente.

Outras informações
Atendimento à Imprensa

(61) 3315-3580 ou 3315-2351
jornalismo@saude.gov.br

fonte:portal.saude.gov.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FAÇA UMA PERGUNTA AO ACS ROBERTO!

MATERIAS DO BLOG DO ACS ROBERTO