SEJA UM SEQUIDOR DO BLOG DO ACS ROBERTO

quinta-feira, 7 de julho de 2011

PRESIDENTE DILMA ROUSEF FALA BEM BAIXINHO PARA O LULA E AGORA COMPANHEIRO O QUE EU FAÇO COM OS AGENTES COMUNITARIO DE SAÚDE E AGENTES DE ENDEMIAS?





A esperada votação da Emenda 29, que vai regulamentar os recursos para a saúde, prometida por Marco Maia, presidente da Câmara dos Deputados para esta semana, ficou para o segundo semestre. O motivo seria falta de acordo entre a base governista e também entre os estados.

De volta a fila de espera, o texto já aprovado do projeto prevê que os estados devem aplicar 12% da receita bruta na saúde, e os municípios, 15%. Na teoria, isto ajudaria a resolver alguns imbróglios, como o projeto que regulamenta o piso nacional dos agentes comunitários de saúde e de combate a endemias.

O seja acs/ace de todo o Brasil tudo indica que o piso salarial nacional dos acs/ace só será regulamentado quando a emenda 29 tambem for regulamentada, ou acontece o que aconteceu no ano passado onde o presidente na epoca lula deu uma bela de uma enrolada em todos os acs/ace do Brasil não enviado o projeto do governo federal fixando o valor do piso dos acs/ace.

Segundo o deputado Domingos Dutra (PT-MA), presidente da comissão especial que analisa o projeto dos acs/ace, a Emenda 29 resolveria a questão do financiamento. No entanto, a comissão especial espera um projeto de lei complementar do executivo para finalizar a definição do piso. “Temos mais 18 projetos em discussão com a mesma característica: geram despesas para o Executivo e certamente serão vetados pela presidente caso não haja um acordo prévio”, afirma Dutra.

O piso dos agentes de saúde foi aprovado em 2009 pelo Senado, por meio de uma votação na Comissão de Assuntos Sociais e seguiu para a Câmara. Na época, ficou fixado em R$ 930, dois salários mínimos, o valor da remuneração dos agentes de saúde com ensino médio completo. Atualmente, os agentes são remunerados por repasses da União diretamente para o município. “Cerca de 5% dos municípios pagam dois salários mínimos”, afirma Dutra.

A presidente da Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde (Conacs), Ruth Brilhante de Souza, disse à Agência Câmara que o governo estaria “empurrando com a barriga” a discussão sobre o piso. Os trabalhadores exigem o cumprimento do piso de dois salários mínimos líquidos.

De acordo com a Confederação Nacional de Municípios (CNM), o cumprimento da lei do piso dos agentes comunitários terá um custo de R$ 1,7 bilhão às prefeituras. “Embora tenha sido aprovado o piso do magistério, consideramos que os conflitos quanto ao piso dos agentes de saúde é muito grande.Primeiramente, porque o governo federal quer passar para as prefeituras o ônus de um projeto criado e mantido pela União”, afirma Paulo Ziulkoski, presidente da CNM.

A figura dos agentes de saúde foi criada durante o governo Fernando Henrique Cardoso, com base em experiência cubana. A ideia é a contratação dos próprios moradores para atender as demandas de saúde locais.

“Hoje 96% dos municípios têm o programa. São 270 mil agentes comunitários e 30 mil de combate a endemias. Ao contrário do que vem sendo divulgado, apenas 3,18% não têm contrato CLT”, afirma o representante da CNM.

Ziulkoski afirma que a CNM não é contra o piso. “Queremos que o governo federal continue sustentando o programa”, diz. Ele diz que a Emenda 29 não garante que os municípios utilizarão recursos para pagar o piso.


FONTE: ACS ROBERTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FAÇA UMA PERGUNTA AO ACS ROBERTO!

MATERIAS DO BLOG DO ACS ROBERTO