SEJA UM SEQUIDOR DO BLOG DO ACS ROBERTO

sábado, 24 de julho de 2010

Confederação Nacional dos Municípios, diz que o piso salarial dos acs/ace será um rombo para os cofres das prefeituras!


BRASÍLIA - A maioria dos 5.565 municípios brasileiros está sem recursos para bancar um rombo estimado em R$ 3 bilhões na contratação, sem concurso público, de 300 mil agentes comunitários de saúde. É o que prevê a Proposta de Emenda Constitucional 63/2009, promulgada no ano passado pelo Congresso Nacional e cuja regulamentação está em análise no Senado.

Uma das propostas prevê piso salarial de R$ 1.020, dos quais R$ 714 seriam custeados pelo governo federal e R$ 306, pelos municípios. As avaliações foram feitas, a pedido do DCI, pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e pela organização não-governamental Transparência Municipal.

"Essa emenda vai gerar um impacto tremendo nas prefeituras. Os deputados não param de aprovar direitos, e o Executivo não para de sancionar. O que eles querem é voto, mas isso está inviabilizando o País", expôs o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Segundo ele, a situação pode ficar bem pior: "Se todos os projetos de ajuste de piso salarial para a área da saúde forem aprovados, teremos um rombo de R$ 49 bilhões".
O consultor François Bremaeker, da Transparência Municipal, avaliou que a aprovação dessas propostas fere o pacto federativo. "Isso é uma intromissão na autonomia municipal. É muito fácil fazer cortesia com o chapéu alheio", criticou. Para ele, quem arrecada recursos para a manutenção da saúde é o governo federal. "Os municípios são obrigados a assumir os serviços e não recebem os recursos necessários para tanto."

François ressaltou que os municípios têm por obrigação gastar pelo menos 15% da sua receita tributária e transferência constitucional em saúde, mas acabam comprometendo 23,5% do seu orçamento em média. "O ressarcimento pelo SUS [Sistema Único de Saúde] dos procedimentos médicos é muito abaixo do custo real, o que sobrecarrega seu orçamento", argumentou.

O Ministério do Planejamento estima que a PEC provocará um impacto de R$ 2 bilhões no orçamento da União. E não há previsão de de onde esses recursos sairão, segundo o órgão.
A senadora Patrícia Saboya (PDT-CE), autora do projeto de Lei 196/2009 para regulamentar a PEC, propõe que União deverá fazer repasse financeiro aos municípios a fim de garantir o piso salarial da categoria. O valor de cada município será definido pelo Ministério da Saúde.

As entidades não confiam no governo porque a União não estaria repassando às prefeituras os recursos prometidos ao piso dos professores que entrou em vigor este ano.

Municípios temem rombo de cerca de R$ 3 bilhões na contratação sem concurso público de 300 mil agentes comunitários de saúde, conforme prevê PEC analisada no Senado.

Um comentário:

  1. é isso aí, estamos cercados por um bando de filhos da puta que tomam conta do poder... e olhe que essa notícia nem nova é, o engraçado nisso tudo é que quando se trata de aumentar o salário do trabalhador eles tratam esse aumento como "rombo nos cofres públicos", mas quando é para aumentar os próprios salários não fazem a menor cerimônia para isso e nem ligam se são realmente merecedores dos salários que recebem, pois na minha opinião, os trabalhadores que de fato deveriam ter seus salários baseados na importância de seus cargos como altos deviam ser os médicos, bombeiros, policiais etc...basicamente pessoas que trabalham diretamente com o povo e para o povo, eu até poderia ter citado os advogados, mas eu acho que eles não merecem tanto, pois dificilmente conseguem absorver alguém que de fato seja inocente.
    E fala sério, será que os recursos dessas prefeituras são usadas quase que 80% só para pagar seus funcionários, pois a impressão que dá é isso mesmo, não se tem recursos para equipar de forma efetiva seus postos de saúde e hospitais, as vezes não se tem remédio nem pra dor de cabeça, quem dirá aqueles remédios destinados ao tratamento de pessoas com câncer que chegam facilmente na casa dos 4 dígitos.
    nossos gestores de Curralinho/PA que dizendo eles por falta de verba chegaram a negociar as horas extras de seus funcionários por dias de folga, engraçado...pois abrimos mãos de nosso tempo livre para fazer trabalhos excedentes mandados por eles...e mesmo assim se tem noticias de que milhões de reais em verbas publicas são extraviados por gestores corruptos que são pagos para defender os interesses do povo e não de si mesmos; e agora esses prefeitos filhos duma égua dizem que seus municípios vão quebrar se abrirem mãos de 300 reais para garantir um salário mais digno para seus funcionários?!...contem outra, pois essa não colou.

    ResponderExcluir

FAÇA UMA PERGUNTA AO ACS ROBERTO!

MATERIAS DO BLOG DO ACS ROBERTO